Governo Federal - Atos da União

Florianópolis


Atenção

Itens de acervo não serão publicados em edição oficial do DOM/SC.

Informações do Item de Acervo n.º 2555535

Informações Básicas

SituaçãoAcervo Público
Data de Cadastro08/07/2020 19:12:30
URL de OrigemAcesse...
Data do Documento07/07/2020
CategoriaLeis
TítuloLEI Nº 14.022, DE 7 DE JULHO DE 2020
Arquivo Fonte do Ato1594246400_lei_n_14.022_de_7_de_julho_de_2020.pdf
Conteúdo

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Publicado em: 08/07/2020 | Edição: 129 | Seção: 1 | Página: 3

Órgão: Atos do Poder Legislativo

LEI Nº 14.022, DE 7 DE JULHO DE 2020

Altera a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, e dispõe sobre

medidas de enfrentamento à violência doméstica e familiar

contra a mulher e de enfrentamento à violência contra crianças,

adolescentes, pessoas idosas e pessoas com deficiência

durante a emergência de saúde pública de importância

internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto

de 2019.

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º Esta Lei dispõe sobre medidas de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra

a mulher e de enfrentamento à violência contra crianças, adolescentes, pessoas idosas e pessoas com

deficiência durante a emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do

coronavírus responsável pelo surto de 2019.

Art. 2º A Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, passa a vigorar com as seguintes alterações:

"Art. 3º ...............................................................................................................

......................................................................................................................................

§ 7º-C Os serviços públicos e atividades essenciais, cujo funcionamento deverá ser resguardado

quando adotadas as medidas previstas neste artigo, incluem os relacionados ao atendimento a mulheres

em situação de violência doméstica e familiar, nos termos da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, a

crianças, a adolescentes, a pessoas idosas e a pessoas com deficiência vítimas de crimes tipificados na Lei

nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), na Lei nº 10.741, de 1º de outubro

de 2003 (Estatuto do Idoso), na Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 (Estatuto da Pessoa com Deficiência), e

no Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal)." (NR)

"Art. 5º-A Enquanto perdurar o estado de emergência de saúde internacional decorrente do

coronavírus responsável pelo surto de 2019:

I - os prazos processuais, a apreciação de matérias, o atendimento às partes e a concessão de

medidas protetivas que tenham relação com atos de violência doméstica e familiar cometidos contra

mulheres, crianças, adolescentes, pessoas idosas e pessoas com deficiência serão mantidos, sem

suspensão;

II - o registro da ocorrência de violência doméstica e familiar contra a mulher e de crimes

cometidos contra criança, adolescente, pessoa idosa ou pessoa com deficiência poderá ser realizado por

meio eletrônico ou por meio de número de telefone de emergência designado para tal fim pelos órgãos

de segurança pública;

Parágrafo único. Os processos de que trata o inciso I do caput deste artigo serão considerados

de natureza urgente."

Art. 3º O poder público deverá adotar as medidas necessárias para garantir a manutenção do

atendimento presencial de mulheres, idosos, crianças ou adolescentes em situação de violência, com a

adaptação dos procedimentos estabelecidos na Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da

Penha), às circunstâncias emergenciais do período de calamidade sanitária decorrente da pandemia da

Covid-19.

§ 1º A adaptação dos procedimentos disposta no caput deste artigo deverá assegurar a

continuidade do funcionamento habitual dos órgãos do poder público descritos na Lei nº 11.340, de 7 de

agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), no âmbito de sua competência, com o objetivo de garantir a

manutenção dos mecanismos de prevenção e repressão à violência doméstica e familiar contra a mulher e

à violência contra idosos, crianças ou adolescentes.

§ 2º Se, por razões de segurança sanitária, não for possível manter o atendimento presencial a

todas as demandas relacionadas à violência doméstica e familiar contra a mulher e à violência contra

idosos, crianças ou adolescentes, o poder público deverá, obrigatoriamente, garantir o atendimento

presencial para situações que possam envolver, efetiva ou potencialmente, os ilícitos previstos:

I - no Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), na modalidade

consumada ou tentada:

a) feminicídio, disposto no inciso VI do § 2º do art. 121;

b) lesão corporal de natureza grave, disposto no § 1º do art. 129;

c) lesão corporal dolosa de natureza gravíssima, disposto no § 2º do art. 129;

d) lesão corporal seguida de morte, disposto no § 3º do art. 129;

e) ameaça praticada com uso de arma de fogo, disposto no art. 147;

f) estupro, disposto no art. 213;

g) estupro de vulnerável, disposto no caput e nos §§ 1º, 2º, 3º e 4º do art. 217-A;

h) corrupção de menores, disposto no art. 218;

i) satisfação de lascívia mediante presença de criança ou adolescente, disposto no art. 218-A;

II - na Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), o crime de descumprimento

de medidas protetivas de urgência, disposto no art. 24-A;

III - na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente);

IV - na Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso).

§ 3º Conforme dispõe o art. 158 do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de

Processo Penal), mesmo durante a vigência da Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, ou de estado de

emergência de caráter humanitário e sanitário em território nacional, deverá ser garantida a realização

prioritária do exame de corpo de delito quando se tratar de crime que envolva:

I - violência doméstica e familiar contra a mulher;

II - violência contra criança, adolescente, idoso ou pessoa com deficiência.

§ 4º Nos casos de crimes de natureza sexual, se houver a adoção de medidas pelo poder

público que restrinjam a circulação de pessoas, os órgãos de segurança deverão estabelecer equipes

móveis para realização do exame de corpo de delito no local em que se encontrar a vítima.

Art. 4º Os órgãos de segurança pública deverão disponibilizar canais de comunicação que

garantam interação simultânea, inclusive com possibilidade de compartilhamento de documentos, desde

que gratuitos e passíveis de utilização em dispositivos eletrônicos, como celulares e computadores, para

atendimento virtual de situações que envolvam violência contra a mulher, o idoso, a criança ou o

adolescente, facultado aos órgãos integrantes do Sistema de Justiça - Poder Judiciário, Ministério Público

e Defensoria Pública, e aos demais órgãos do Poder Executivo, a adoção dessa medida.

§ 1º A disponibilização de canais de atendimento virtuais não exclui a obrigação do poder

público de manter o atendimento presencial de mulheres em situação de violência doméstica e familiar e

de casos de suspeita ou confirmação de violência praticada contra idosos, crianças ou adolescentes.

§ 2º Nos casos de violência doméstica e familiar, a ofendida poderá solicitar quaisquer medidas

protetivas de urgência à autoridade competente por meio dos dispositivos de comunicação de

atendimento on-line .

§ 3º Na hipótese em que as circunstâncias do fato justifiquem a medida prevista neste artigo, a

autoridade competente poderá conceder qualquer uma das medidas protetivas de urgência previstas nos

arts. 12-B, 12-C, 22, 23 e 24 da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), de forma

eletrônica, e poderá considerar provas coletadas eletronicamente ou por audiovisual, em momento

anterior à lavratura do boletim de ocorrência e a colheita de provas que exija a presença física da ofendida,

facultado ao Poder Judiciário intimar a ofendida e o ofensor da decisão judicial por meio eletrônico.

§ 4º Na hipótese prevista no § 3º deste artigo, após a concessão da medida de urgência, a

autoridade competente, independentemente da autorização da ofendida, deverá:

I - se for autoridade judicial, comunicar à unidade de polícia judiciária competente para que

proceda à abertura de investigação criminal para apuração dos fatos;

II - se for delegado de polícia, comunicar imediatamente ao Ministério Público e ao Poder

Judiciário da medida concedida e instaurar imediatamente inquérito policial, determinando todas as

diligências cabíveis para a averiguação dos fatos;

III - se for policial, comunicar imediatamente ao Ministério Público, ao Poder Judiciário e à

unidade de polícia judiciária competente da medida concedida, realizar o registro de boletim de

ocorrência e encaminhar os autos imediatamente à autoridade policial competente para a adoção das

medidas cabíveis.

Art. 5º As medidas protetivas deferidas em favor da mulher serão automaticamente prorrogadas

e vigorarão durante a vigência da Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, ou durante a declaração de

estado de emergência de caráter humanitário e sanitário em território nacional, sem prejuízo do disposto

no art. 19 e seguintes da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha).

Parágrafo único. O juiz competente providenciará a intimação do ofensor, que poderá ser

realizada por meios eletrônicos, cientificando-o da prorrogação da medida protetiva.

Art. 6º As denúncias de violência recebidas na esfera federal pela Central de Atendimento à

Mulher - Ligue 180 e pelo serviço de proteção de crianças e adolescentes com foco em violência sexual -

Disque 100 devem ser repassadas, com as informações de urgência, para os órgãos competentes.

Parágrafo único. O prazo máximo para o envio das informações referidas no caput deste artigo é

de 48 (quarenta e oito) horas, salvo impedimento técnico.

Art. 7º Em todos os casos, a autoridade de segurança pública deve assegurar o atendimento ágil

a todas as demandas apresentadas e que signifiquem risco de vida e a integridade da mulher, do idoso, da

criança e do adolescente, com atuação focada na proteção integral, nos termos da Lei nº 8.069, de 13 de

julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente) e da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003

(Estatuto do Idoso).

Art. 8º O poder público promoverá campanha informativa sobre prevenção à violência e acesso

a mecanismos de denúncia durante a vigência da Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, ou durante a

vigência do estado de emergência de caráter humanitário e sanitário.

Art. 9º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 7 de julho de 2020; 199º da Independência e 132º da República.

JAIR MESSIAS BOLSONARO

André Luiz de Almeida Mendonça

Damares Regina Alves

Este conteúdo não substitui o publicado na versão certificada.

Informações Complementares

SubcategoriaLei Ordinária
StatusVigente (Não consta revogação expressa)
Número14022
Ano2020
Epígrafe
Ementa
Assuntos Relacionados
Projeto de Lei
Data de SançãoNão configurado
Data de Início de VigênciaNão configurado
Data de RevogaçãoNão configurado